Musica Gospel

terça-feira, 8 de abril de 2014

O Cristão como Atalaia

Nas antigas cidades muradas havia o atalaia. Ele surgiu da necessidade de evitar os perigos dos invasores e ladrões. Era uma função obrigatória de defesa social, de abrigo das cidades e das nações.
Esses antigos guardas desempenhavam um papel de grande responsabilidade. Ao seu cuidado previdente e vigilância incansável ficavam entregues o sossego e a vida do povo; dia e noite tinham que vigiar (Is 21.8, 11, 12; 62.6).
A impiedade é o inimigo que anda a rondar o destino das criaturas. Ninguém escapa das suas investidas, por isso as Escrituras comparam os cristãos a atalaias e vigias fiéis.

A obra principal da Igreja é proclamar o evangelho, falar ao mundo da necessidade da salvação de Jesus Cristo e de como ele veio morrer por gente como nós, pecadores.
Assim como as cidades necessitam de guardas, policiais que garantam a ordem e o bem-estar da sociedade, a Igreja também tem a responsabilidade de oferecer proteção espiritual. A negligência da polícia militar ou civil pode trazer graves conseqüências. Imagine a sua cidade sem policiais. Como seria?
Da mesma maneira, se a Igreja esquecer-se de proclamar a mensagem da salvação, terá cometido uma grave falta, o pecado da negligência. Coisas supérfluas podem ser adiadas; as necessárias nunca. Festas, rituais, organizações eclesiásticas., templos cômodos, equipamentos eletrônicos de ponta, tudo isso é bom e útil, mas não salva ninguém. O necessário e intransferível é pregar sempre com absoluta clareza a verdade salvadora, o perigo do pecado, a graça divina e o apelo à conversão.
Antes de você responder à pergunta do título, veja algumas características de um atalaia:
1. Estar sempre vigilante. O menor cochilo era punido com rigor porque trazia conseqüências. Um guarda descuidado é inútil e perigoso como uma Igreja que dorme em vez de vigiar e proclamar a salvação em Cristo. Pregar a verdade é missão constante que deve tomar os cuidados da Igreja. Quando ela deixa para quando puder sua obra missionária, para quando terminar o templo está falhando com sua missão.
2. O guarda nas antigas cidades deveria ocupar os pontos mais estratégicos. Tinha seu posto nas portas das cidades, nos morros, nas torres e lugares altos. Assim, deve a Igreja executar sua obra evangelística. É preciso escolher os campos, os lugares, os meios e métodos de pregar e chamar os pecadores a Cristo. Nos negócios do Reino de Deus é preciso ocupar os pontos estratégicos, aproveitando os melhores meios para transmitir a mensagem. A Igreja fará isso através dos seus membros, que ocuparão os lugares estratégicos e farão os contatos com as pessoas que têm de ser avisadas do perigo. Além disso, a igreja, como instituição, poderá manifestar-se quanto às grandes questões da nossa época, denunciando o pecado onde ele aparecer.
3. O atalaia tinha que tocar a trombeta e avisar a cidade de qualquer perigo possível. Isso era feito ao mesmo tempo. Tocava a trombeta para despertar a atenção. Avisava, dando a notícia necessária no momento certo. A Igreja, portanto, tem que unir sempre em sua obra de apoio e fundamento da verdade, a trombeta e o aviso. Precisamos falar a cada pessoa em particular mas precisamos fazer a mensagem chegar à cidade toda. Precisamos chamar a atenção para o perigo (trombeta), mas também entregar a mensagem que salva (aviso). Esses dois fatores devem andar juntos.
4. O atalaia não podia dar alarme falso. Era punido quando isso acontecia.
Da mesma forma é um grave erro todo alarme falso que uma determinada igreja use na sua obra de pregar o evangelho. A mensagem é uma só. Quaisquer acréscimos ou inovações devem ser imediatamente rejeitados. Só há um aviso certo: A alma que pecar, certamente morrerá. E só há um em quem se possa ter salvação: Jesus (At 4.12).